sábado, 7 de abril de 2012

A EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO

Desenho de “O Mágico de Oz”


O enfoque holístico à História do Conhecimento consistirá essencialmente de uma análise crítica da geração e produção de conhecimento, da sua organização e transmissão, da institucionalização e da difusão do mesmo. Considerando que nossa visão dos fatos está embutida no nosso conhecimento, ao se falar em História do Conhecimento estamos falando da História da Humanidade como um todo e do seu hábitat no sentido mais amplo, ou seja, a Terra e até mesmo o Cosmos. Não há como falar da Terra e do Cosmos desligados da visão que o homem tem, e essencialmente criou, dos mesmos. A ciência moderna, ao propor “teorias finais”, isto é, explicações que seriam definitivas quanto à origem e evolução das coisas naturais, esbarra numa postura arrogante. Procuramos substituir a arrogância do saber absoluto que tem como conseqüências inevitáveis os comportamentos indiscutíveis e as soluções finais, pela humildade da busca incessante, cujas conseqüências são a tolerância e a solidariedade.

Naturalmente os métodos da antropologia e da sociologia serão básicos neste enfoque holístico. No curso de nossas análises estaremos abordando o processo de geração de conhecimento (cognição), o processo de sua organização intelectual, transmissão e estruturação (epistemologia), os mecanismos de sua organização social e sua institucionalização pela sociedade organizada em uma certa hierarquia de poder (história) e finalmente o processo de difusão, isto é, a devolução do conhecimento ao povo que originalmente deflagrou o processo de sua produção, difusão essa organizada através de sistemas que incorporam, num esquema de filtros, os interesses da sociedade organizada, detentora desse conhecimento (política). Assim, esse enfoque repousa em estudos, naturalmente integrados, de vários domínios disciplinares, dentre os quais já destacamos a antropologia, mas que se estendem às ciências da cognição, à epistemologia, à história, à política, e a tantas outras teorizações disciplinares.

O processo psicoemocional de geração de conhecimentos, que é a essência do que chamamos criatividade, pode ser considerado, em si, um programa de pesquisa e pode ser categorizado pelos seguintes questionamentos:

1. Como passar das práticas ad hoc para lidar com situações e problemas reais aos métodos?
2. Como passar dos métodos às teorias?
3. Como proceder da teoria à invenção?

É essencial no nosso tratamento e pergunta: como se manifesta o conhecimento no pensamento ocidental? Essa pergunta guiará muitas das reflexões neste trabalho e envolverá, como dissemos acima, os processos de:

1. geração e produção de conhecimento;
2. sua organização e transmissão;
3. sua institucionalização;
4. sua difusão.

Estes processos são normalmente tratados nos conhecimentos disciplinares denominados cognição, epistemologia, história e política.


Visite todos os nossos posts.
Assine o nosso feed e mantenha-se atualizado(a).

______________________________________________
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ubiratan D'Ambrosio - Poços de Caldas, 1 de julho de 1969